A Revolta de Beckman: um resumo sobre o tópico

- Publicidade -

Revolta de Beckman: tudo aquilo que você precisa saber

A Revolta de Beckman faz segmento dos movimentos que ficaram conhecidos uma vez que Revoltas Nativistas brasileiras.

O tema pode ser cobrado pela prova do ENEM e, principalmente, pelos vestibulares do Nordeste. Dessa maneira, é necessário que você domine os principais tópicos da Revolta de Beckman.

Revolta de Beckman: Introdução

A Revolta de Beckman, também chamada de Revolta dos Irmãos Beckman, foi uma rebelião de comerciantes nordestinos ocorrida na Província do Maranhão nos anos de 1684 e 1685.

A Revolta tinha uma vez que objetivo se manifestar contra a Companhia de Negócio do Estado do Maranhão. A companhia havia sido criada pela Grinalda Portuguesa com o objetivo de estimular o desenvolvimento econômico da região, mas acabou causando certa insatisfação da população lugar.

Revolta de Beckman: Contexto Histórico

O pau-brasil foi explorado pelos portugueses desde que chegaram ao Brasil, no ano de 1500. Em torno de 1531, o transacção de especiarias nas índias estava em decadência e já não gerava tanto lucro para os portugueses. Assim, os colonizadores passaram a explorar a cana-de-açúcar.

A partir da segunda metade do século XVII, com a expulsão dos Holandeses do Nordeste, a província do Maranhão entrou em declínio devido à crise do açúcar. A crise, que acabou afetando todo o país, foi ocasionada pela concorrência com o açúcar dos holandeses que agora era produzido nas Antilhas e vendido por um preço mais baixa, pela carência de mão de obra escrava e pela má governo realizada pela Metrópole portuguesa.

Para tentar solucionar a questão econômica na região nordestina, a Grinalda Portuguesa criou, no ano de 1682, a Companhia Universal do Negócio do Estado do Maranhão. A companhia deveria comprar os produtos agrícolas do nordeste, vender produtos manufaturados e abastecer as elites coloniais com escravos, uma vez que os jesuítas que na região habitavam se colocavam contra a a escravização dos nativos indígenas.

Porém, o governo português não cumpriu com o seu combinação e a Companhia fracassou. Com o fracasso, a crise econômica se agravou e a população passou a viver em condições de extrema pobreza, sofrendo, principalmente, com a falta de provisões. Os proprietários rurais também sofriam, uma vez que não conseguiam vender os seus produtos a um preço justo.

Assim, nesse contexto de crise econômica e falta de mão-de-obra devido à resistência dos jesuítas, os colonos decidiram se manifestar e reivindicar a extinção da Companhia Universal de Negócio do Estado do Maranhão e a expulsão dos jesuítas da região.

Revolta de Beckman: Conflitos

Dessa forma, no ano de 1684, teve início uma das principais revoltas nativistas brasileiras: a Revolta de Beckman. O movimento foi liderado pelos irmãos Tomás e Manuel Beckman, ambos senhores de talento do Maranhão.

Apoiados pela população, pelos comerciantes e pelos latifundiários, os irmãos lideraram os revoltosos que, armados,  renderam o Corpo da Guarda de São Luís, capital da província, e sequestraram o capitão-mor Baltasar Fernandes. Ainda, os manifestantes invadem um repositório da Companhia de Negócio do Maranhão e, posteriormente, tomam a Câmara Municipal e estabelecem um governo próprio, decretando o término da Companhia e a expulsão dos jesuítas.

Revolta de Beckman: Desfecho

Tomás Beckman foi enviado para a metrópole para jurar fidelidade ao rei, porém, ao chegar em Lisboa, é recluso. Assim, um novo governador,  Gomes Freire de Andrade,  é enviado pelas tropas portuguesas para a Província do Maranhão. Com a chegada de Andrade, Manuel é sentenciado à morte e os demais revoltosos são condenados à prisão perpétua.

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -