quinta-feira, agosto 5, 2021

Chocolate de origem de Ilhéus ganha medalha de bronze em concurso em Paris – Revista Orbe Rústico

- Publicidade -

O chocolate de origem Bahia Terreno da Felicidade, da marca baiana ChOr, recebeu nesta terça-feira (22/06) o Prêmio Gourmet Bronze AVPA 2021, outorgado pela Sucursal de Valorização dos Produtos Agrícolas (AVPA), uma organização não governamental sediada em Paris.

Produzido com 55% de concentração de cacau, o chocolate ao leite mais intenso concorreu com 81 marcas vindas de 22 países produtores de cacau. Cinco produtores conquistaram a medalha de ouro: dois do México, um do Equador, um do Peru e um de El Salvador. A prata foi para 14 produtores e o bronze para 22.

Embalagens do chocolate Bahia Terreno da Felicidade, produzido pela marca Chor, com 55% de cacau (Foto: Divulgação/Terreno da Felicidade)

A AVPA, fundada em 2005, é uma dependência de promoção de produtos agrícolas que tem relacionamento com mais de 10 milénio produtores de 50 países. A dependência faz tradicionalmente concursos de óleo e outros produtos e, neste ano, fez o primeiro envolvendo chocolates “bean to bar” (do grão à barra).

As amostras foram avaliadas por um júri de especialistas em chocolates, analistas sensoriais e personalidades gastronômicas mundiais. Os ganhadores dos prêmios ouro, prata e bronze receberam um diploma e poderão expor suas medalhas na embalagem.

A empresária da ChOr, Luana Lessa, disse que o propósito da marca, criada em 2013 em Ilhéus, é contribuir para o desenvolvimento desta ergástulo produtiva e mostrar ao Brasil e ao mundo o valor do cacau brasílico através do chocolate. Há dois anos, ela se mudou para Portugal com a intenção de internacionalizar a marca.

José Carlos Assis, produtor da amêndoa do chocolate premiado, festejou seu primeiro prêmio internacional e destacou os cuidados que teve no plantio, colheita, levedação e secagem do cacau enviado à ChOr. “O chocolate corre nas minhas veias. Já tenho vários lotes com selo de indicação geográfica”, disse o cultor de 79 anos que vegetal cacau há 55 anos em três fazendas no sul da Bahia.

Ele colhe murado de 6 milénio arrobas de cacau por safra, sendo 1 milénio arrobas do tipo fino que dão origem às barras “bean to bar”. A produtividade é de murado de 35 a 38 arrobas por hectare.

“Minha meta é chegar a uma produção de 30% ou 40% de cacau fino”, diz Assis, acrescentando que o preço do cacau próprio é 30% a 80% maior do que o tipo commodity.

O que incomoda o cacauicultor é o traje de não conseguir financiamento agrícola porque suas fazendas tiveram que ser hipotecadas depois da devastação causada pela praga “vassoura de feitiçeira” na dezena de 90. Antes disso, Assis produzia o triplo, ou seja, 18 milénio arrobas por ano.

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -