quinta-feira, abril 22, 2021

Conheça a carteira FGV e os editais previstos

- Publicidade -

Neste item vamos entender porquê funciona a carteira FGV e, assim, tranquilizar seus estudos, visto que esta carteira passa uma teoria de ser muito difícil, porém, na prática é muito tranquila e “repetitiva” em diversos aspectos.

Criada em 1944 a carteira FGV (Instalação Carlos Chagas) é uma instituição já consolidada no ramo dos concursos públicos.

Trabalha na organização de provas das mais diversas áreas, tendo maior atuação naquelas de contexto federalista e estadual. Outrossim, é responsável pela elaboração do Examinação da Ordem da OAB, e possui também destaque nos certames para os tribunais. Vamos conhecê-la melhor!

O estilo de cobrança FGV nas provas

O nível das provas costuma variar, sempre dentro do que se espera nas exigências do órgão que irá selecionar os candidatos. Porém, uma das grandes dificuldades daqueles que fazem a prova da Instalação Getúlio Vargas é no que se refere a forma com que o teor é cobrado.

A carteira serpente a letra de lei, cuja principal particularidade é exigir do candidato um raciocínio mais crítico, a término de que ele consiga resolver situações práticas, na maioria das vezes relacionadas ao função que o candidato irá disputar.

Na FGV, embora importante, o estudo somente da letra da lei não é o suficiente. O candidato deve ampliar seus estudos lendo também as principais súmulas, sempre voltando para a solução de casos práticos.

Já nas provas discursivas, a carteira costuma elaborar mais de uma questão, o que é bom para os candidatos, já que as chances de saber o teor exigido aumentam.

Dicas sobre a carteira FGV

A FGV traz questões de múltipla escolha com enunciados, geralmente, objetivos.

A prova consiste, em grande segmento, em cobrança de tradução, muitas vezes, revelando as respostas de suas perguntas nos textos expostos anteriormente.

As leituras devem ser feitas com atenção para não deixar evadir as dicas que a carteira dá nas avaliações. E, vale proferir, isso acontece em todas as disciplinas, que, inclusive, apresentam um intensidade de cobrança uniforme, sem gerar muita dificuldade para os candidatos.

Questões comentadas da Mesa FGV

Questão 1 –

Em relação à ação popular, é verdadeiro declarar que:

(A) No caso de desistência do responsável, o Ministério Público não pode dar prosseguimento à ação.
(B) A ação popular pode ser proposta somente contra entidades públicas.
(C) Para a propositura da ação popular é prescindível que o responsável da mesma seja sufragista.
(D) Ainda que se trate de ação temerária, não haverá sanção para seu responsável.
(E) A ação popular pode ser proposta para a proteção de interesses difusos da coletividade.
Gabarito: E
Glosa: Atente-se que, para que a ação popular seja proposta, exige-se a exigência de sufragista, que se comprova com a apresentação do título de sufragista. Ou seja, torna-se imprescindível que o responsável seja sufragista. Numa leitura desatenta, o candidato poderia marcar a selecção C, que afirma justamente o contrário.

Questão 2 –

De entendimento com a Lei 8.112/90 assinale a opção correta a saudação das formas de provimento dos cargos públicos:

(A) Reintegração é a investidura de servidor em função de atribuições e responsabilidade compatíveis com a limitação que tenha sofrido em sua capacidade física ou mental.
(B) Recondução é o retorno de servidor público firme ao função anteriormente ocupado e decorrerá de inabilitação em estágio probatório relativo a outro função ou de reintegração do anterior ocupante.
(C) Reversão é a reinvestidura de servidor firme no função anteriormente ocupado quando invalidada sua exoneração.
(D) Aproveitamento é a passagem de servidor firme de função efetivo para outro de igual denominação, pertencente a quadro de pessoal diverso, de órgão ou instituição do mesmo poder.
(E) Readaptação é o deslocamento do servidor, a pedido, no contexto do mesmo quadro com mudança de sede.
Gabarito: B
Glosa:
Cá, perceba que, a pegadinha está em misturar completamente conceitos e definições pertencentes a um mesmo campo semântico. O noção de reintegração mencionado na selecção A refere-se na verdade à definição explicitada na selecção C. Destarte, o noção mencionado na selecção E é que corresponde à definição apresentada na selecção A. A fórmula se repete e somente na selecção B o termo e sua definição estão corretamente vinculados

Questão 3 –

A mudança de um muito de uso generalidade do povo para muito dominical chama-se:
(A) afetação.
(B) desconsagração.
(C) cessão.
(D) permissão
Gabarito: B
Glosa:
Nesta questão, tem-se uma pegadinha. Haja visto que o termo normalmente utilizado para escolher a mudança de um muito de uso generalidade do povo para muito dominical é “desafetação”. Porém, quando citamos “desconsagração”, temos um sinônimo que também pode ser usado corretamente. Além de confundir o candidato, a carteira faz com que o examinando perda tempo com a questão. Mesmo o candidato que conheça o significado de desafetação ficará perdido se não souber da existência do termo equivalente. E, se for assim, temos que, mesmo que acerte a questão, poderá ter perdido minutos preciosos tentando interpretar o significado da selecção.

Confira alguns concursos previstos que já tem a FGV porquê carteira organizadora:

Tenha aproximação GRÁTIS ao Guia Completo da >> Mesa FGV

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -