quinta-feira, abril 22, 2021

“Era desportista réplica”, diz camarada de fisiculturista morto com covid em Goiás – 03/04/2021

- Publicidade -

O personal trainer Djalma Batista era considerado “um desportista réplica” no fisiculturismo goiano, esporte que praticava havia 10 anos. Djalma morreu aos 49 anos na quinta-feira (2) por complicações da covid-19 em Anapólis, no interno de Goiás. Ele deixou esposa e um fruto de cinco meses.

“Ele não era somente um competidor, era um desportista, um desportista réplica”, conta Márcio Rezende, camarada e presidente da IFFB-GO (Federação Goiana de Musculação e Fisiculturismo). “Não estava lá pra competir por medalha ou troféu, e sim pra participar. Tinha o verdadeiro espírito esportivo.”

Formado em ensino física pela Universidade Estadual de Goiás e com pós-graduação em fisiologia do treino e nutrição esportiva, Djalma começou a competir já tardiamente, aos 40 anos. Chegou a ser vencedor de torneios locais e nacionais, na categoria master.

Djalma Batista era vencedor de musculação na categoria master

Imagem: Reprodução

“Era um face imperturbado e mentor. Quando a gente ia pra competições, ele sempre se preocupava em passar tranquilidade para os atletas mais novos”, afirma Márcio.

Um desses atletas chegou a comentar sobre a preocupação de Djalma com os jovens que entravam no fisiculturismo. “Referência no esporte. Me deu conselhos que vou levar para a vida toda”, escreveu o bodybuilder João Camelo no Instagram.

O fisiculturismo é um movimento que propõe o uso progressivo de exercícios físicos para modelar a musculatura do corpo para fins estéticos. Em competições esportivas, os fisiculturistas se apresentam em concursos e são julgados por árbitros. O esporte esteve no programa dos últimos Jogos Pan-americanos, em Lima, em 2019.

Djalma dava aulas de musculação e participava de campeonatos em Goiás. De negócio com o presidente da federação, o desportista tentava “levar o esporte para um lado menos marginalizado”. A modalidade é frequentemente associada ao uso de anabolizantes e substâncias consideradas doping. “O Djalma estudava muito e tinha uma visão muito correta do esporte. Ele mostrava pras pessoas que o fisiculturismo é um noção da vida saudável. Era uma pessoa do muito”, conta o camarada.

Pelo Instagram, Loyse Santos, mulher de Djalma, afirmou que vai apresentar o fisiculturismo ao fruto do parelha. “Djalma amava e tinha muito orgulho desse esporte… queria que o fruto seguisse nos mesmo caminho, e eu apresentarei esse esporte pra ele”, afirmou ela, que é enfermeira.

Djalma foi internado há muro de uma semana, com os pulmões bastante comprometido pela infecção do coronavírus. A federação planeja uma homenagem ao desportista em seu próximo campeonato, marcado para julho.

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -