Forrozeiros narram as dificuldades para mourejar com 2° ano sem São João

- Publicidade -
Concurso de Quadrilha Junina em 2011 no Pelourinho, em Salvador. Crédito: MateusPereira/ @mateuspereira.art

Por mais um ano, a roda de pessoas na fogueira não será completa, a disputa para saber quem tem o melhor licor da região acontecerá de forma virtual e as bandeirolas não estarão penduradas uma vez que secção da decoração das arenas de forró. Estes espaços, inclusive, novamente não receberão milhares de “postulantes a dançarinos” e os músicos encontrarão seu público através de uma tela do dedo.

Porém, longe dos circuitos televisivos, lives grandiosas e campanhas publicitárias, em que se encontram nomes uma vez que Wesley Safadão, Sol Almeida e Xand Avião, os “forrozeiros raízes” tentam driblar as limitações impostas pela pandemia da covid-19 no segundo ano seguido sem as festas de São João para arcar com as despesas ao final de cada mês.

No Nordeste, os festejos do mês junho – embalados pelos dias de Santo Antônio, 13, São João, 24, e São Pedro, 29, – mobilizam praticamente toda a enxovia produtiva da região. Cálculos feitos pelos Estados em 2020 apontaram prejuízo estimado em mais de R$ 1 bilhão e, segundo o Ministério do Turismo, a não realização levante ano gerará uma perda de, pelo menos, R$ 950 milhões. Um dos nomes mais conhecidos da cena tradicional, o cantor Flávio José, costumava fazer uma média de 26 shows só neste mês. “Me sinto muito triste, impotente e sem esperança de quando iremos voltar. Para ser sincero, meu coração diz que no próximo ano ainda iremos permanecer em moradia. É o que eu sinto”, confessa.

Para a forrozeiro paraibano de 35 anos de curso, o lento processo da vacinação em tamanho e o não cumprimento, por secção da população, das orientações dadas pelas organizações de saúde, uma vez que evitar aglomerações e a utilização metódico das máscaras, retardarão o retorno dos eventos. O veterano conta que a última apresentação completa foi realizado em janeiro de 2020. “De lá para cá, não entrou renda de zero, mas as contas chegam toda hora”, pontua. Em Planura Grande, uma das mais representantes do Estado, um volta de lives culturais e artísticas foi montado. No último final de semana, por exemplo, a ação contou com show de Wesley Safadão e participação da paraibana Juliette Freire, campeã do Big Brother Brasil 21.

Vista uma vez que a capital do Forró há 40 anos, Caruaru, áspero de Pernambuco, anunciou a suspensão dos eventos ainda em maio. Na edição de 2019, muro de 3 milhões de pessoas passaram pelo município e estima-se que R$ 200 milhões tenham sido movimentados no período. Por lá, a Câmara de Vereadores aprovou o BEM São João, um favor emergencial para contemplar artistas locais que participaram da sarau há dois anos. O pagamento será uma parcela única em valores que variam de R$ 1 milénio a R$ 3 milénio. Ou por outra, as cidades Jaboatão, Olinda e Vitória de Santo Antão mantiveram os decretos de 2020 referentes a proibição de fogueiras e fogos de artifício durante as celebrações.

Pernambucano, mas “com psique de baiano”, o cantor Targino Gondim confessa que tem tentado investir nas redes sociais para mourejar com esse hiato amontoado. “Mais uma vez, perdemos a nossa receita principal, que representa 80% de tudo que ganhamos. A maioria dos forrozeiros estão em situação complicada. Muitos estão vendendo até seus instrumentos e isso não é bom”, reforça. Apesar das dificuldades, o músico reitera a relevância da paralisação para enfrentamento da doença que já matou mais de 500 milénio pessoas no Brasil. “Supra de tudo é a vida. Precisamos seguir as orientações para evitar mais ainda a propagação desse vírus. Vamos deixar a realização das festas em segundo projecto, pois assim poderemos voltar com toda força e alegria”, torce.

NA BAHIA, CANCELAMENTO É TEMA DE LIVRO

“São João passou por aí?”. A pergunta pode tanger estranha para algumas regiões do Brasil, mas é comumente usada entre os baianos neste período uma vez que privilégio para compartilhar das pequenas festas dos vizinhos. É uma espécie de política da boa vizinhança.

E buscando entender as consequências da não realização das tradições juninas no ano pretérito na Bahia, as pesquisadoras e professoras universitárias Lúcia Maria Aquino de Queiroz e Carmen Lúcia Castro lançaram o livro Impactos da Covid-19 nos Festejos Juninos da Bahia. A obra procura mensurar as implicações para os agentes culturais que participam destes festejos, assim uma vez que municípios, associações comerciais e barraqueiros. Ou por outra, identificou as medidas de enfrentamento adotadas, sendo que algumas estão sendo reaplicadas levante ano pelas autoridades públicas.

Festa de São João em Salvador em 2019
Sarau de São João em Salvador em 2019. Crédito: MateusPereira/ @mateuspereira.art

Por exemplo, o governo estadual suspendeu novamente o transporte intermunicipal no período do São João, 24, a São Pedro, 29, para evitar que as pessoas viajem nestas datas. Antes da proibição solene, algumas cidades oficializaram o cancelamento das festas através de decreto. Entre elas, Santo Antônio de Jesus, Euclides da Cunha, Senhor do Bonfim, Camaçari, Amargosa e Catadupa.

Nesta última, localizada a 120 quilômetros de Salvador, a prefeitura instaurou barreiras para proibir o chegada de turistas. A localidade, um dos destinos mais procurados do Estado, está com 100% de ocupação dos leitos de tratamento intenso (UTI) destinados à covid-19. Ou por outra, um novo decreto em Mata de São João, Coaraci, Almadina e Itapitanga proibiu a montagem e acendimento de fogueiras e fogos de artifício.

Lúcia Maria Aquino de Queiroz acredita que, para além dos prejuízos evidenciados, a pausa de dois anos nos festejos permitiram revelar uma série de problemas na forma uma vez que o movimento cultural acontece. “A gente incorpora o forró cá na Bahia de forma sazonal. Precisamos cuidar dessa tradição o ano inteiro. Os quadrilheiros não estão conseguindo remunerar nem as roupas; falta ampliação dos concursos daqui. Na comemoração do próprio São João, às vezes, o palco principal é ocupado por uma atração que nem tem relação com a sarau e os que têm estão em palcos sem som e iluminação adequados”, critica.

Com 27 anos de curso, Adelmário Coelho é considerado um dos maiores forrozeiros baianos. Protector do estilo mais tradicional do ritmo, o músico chega a fazer 35 shows só no mês de junho. “É um luto dolorido. Ninguém sabe exatamente quando terá termo. Isso que é dramático”, confessa.

Para o músico a prioridade é o desvelo com a vida dos brasileiros e considera “um ato criminoso” quem nega a sisudez da doença, mas, pensando no setor músico que faz secção, lamenta a paralisação. “Existe um perfil com mais visibilidade para o patrocínio, que não é a veras da nossa cultura forrozeira. Nunca tinha ficado uma noite de São João sem meu público; era uma coisa inimaginável”, admite.

Apesar dos dados catalogados, Lúcia se mostra positiva para a realização dos festejos logo que a pandemia fora controlada no Brasil. “Sem sombra de dúvidas, o próximo São João presencial será muito iluminado no sentido de que haverá uma procura intensa por secção do público. Porém, espero que já seja fruto de uma série de reflexões e que venha com mudanças efetivas. A sarau não precisa ser guiada pelo movimento midiático. A teoria é que tenha destaque de indumento quem faz o São João intercorrer”, reforça.

As informações do livro foram coletadas entre 10 de julho e 21 de outubro de 2020 e contou com 239 respostas divididas entre seis questionários, sendo 16 de representantes de municípios, 10 de associações, 115 de bandas e grupos musicais, 14 de festas privadas e 84 de profissionais da cultura e prestadores de serviços.

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -