Fundo eleitoral: Bolsonaro sinaliza que poderá vetar os R$ 5,7 bilhões

- Publicidade -

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido),deu a entender que poderá vetar o valor de quase R$ 6 bilhões do fundo eleitoral para as eleições 2022.

As declarações foram dadas na saída do Hospital Vila Novidade Star, em São Paulo, depois ele ter sido internado por obstrução intestinal.

A medida foi aprovada no última quinta-feira (15) e foi cândido de críticas não só pelo valor, mas também porque muitos teve o suporte de muitos deputados da base do governo.

A liberação do fundo eleitoral foi votada junto com Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) – uma previsão de orçamento para o ano que vem.

Veja cá porquê cada um dos parlamentares votaram.

Entre os partidos, em cinco deles nenhum deputado foi em prol da medida:

  • PT;
  •  PV;
  • Podemos;
  • PCdoB;
  • Novo.

Bolsonaro joga culpa do fundo eleitoral para parlamentar

Você Pode Gostar Também:

O presidente afirmou que o deputado federalista e vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), foi o responsável pela aprovação do fundo.

De entendimento com ele, os parlamentares teriam votado sim para a LDO e não para os valores do fundo eleitoral – que estavam também no projeto de lei.

“Os parlamentares aprovaram a LDO. É um documento enorme, com vários anexos. Tem muita coisa lá dentro. Muitos parlamentares tentaram sobresair essa questão [Fundo Eleitoral]. O responsável por autenticar isso é o Marcelo Ramos lá do Amazonas, viu presidente [Arhur Lira PP-AL]. Ele que fez isso tudo”, disse o presidente.

Ele ainda declarou que os valores não são alguma coisa normal.  “Eu sigo a minha consciência, sigo a economia e a gente vai buscar um bom sinal para isso tudo aí. Finalmente de contas, eu já antecipo, R$ 6 bi pra fundo eleitoral, para financiamento de campanhas, pelo paixão de Deus”, afirmou.

O presidente Bolsonaro ainda afirmou que os valores do fundo eleitoral dariam, por exemplo, para recapear grande segmento da malha rodoviária do país ou finalizar as obras que levam chuva para o Nordeste.

Marcelo Ramos responde sobre o fundo eleitoral

Posteriormente críticas, o vice-presidente da Câmara, respondeu Bolsonaro no Twitter.

“Se depender do Bolsonaro ele não é responsável por nenhuma das mais de 530 milénio pessoas mortas na pandemia, nem por 15 milhões de desempregados, nem por 19 milhões de brasileiros com penúria e nem mesmo pela escandalosa tentativa de roubo na compra de vacinas. Ele deveria é proferir que vai vetar, mas vai tentar arrumar alguém para responsabilizar também, porque é típico dele e dos filhos passar das suas responsabilidades e obrigações”, declarou.

Leia Também:

Está “bombando” na Internet:

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -