Governo Federalista evitou perda de R$ 7,1 bilhões em fraudes no Auxílio Emergencial

- Publicidade -

A partir do início do programa de Auxílio Emergencial, o objetivo era de chegar àqueles que se viram em grande prejuízo na pandemia da Covid-19. Dessa forma, os critérios para selecionar os grupos de beneficiários levaram em consideração questões uma vez que renda e elaboração familiar.

Dessa forma, se fez provável chegar aos que se encontram em situações financeiras críticas. No entanto, em conjunto, muitos outros conseguiram receber o mercê mesmo sem executar as exigências do programa. Nesse sentido, o impacto se torna evidente, ao considerar a premência do público que realmente depende da assistência social.

Assim, o mercê no presente ano retornou com requisitos mais rígidos, a termo de evitar fraudes. Portanto, a estudo do cumprimento de tais exigências de maneira mais frequente, por exemplo, foi uma das novas medidas.

Governo Federalista evitou perda de R$ 7,1 bilhões em fraudes no Auxílio Emergencial

O atual ministro da Controladoria Universal da União (CGU), Wagner Rosário, afirmou ontem, dia 28 de junho, a economia com o orçamento. A enunciação ocorreu durante entrevista ao programa Sem Exprobação, da TV Brasil.

Na ocasião, logo, o ministro afirmou que os esforços da CGU possibilitaram que a União economizasse uma quantia de R$ 7,1 bilhões. Isto é, oriente valor representa aqueles que pagariam de maneira indevida a beneficiários do Auxílio Emergencial. 

“Foi o valor que foi suspenso pelo Ministério da Cidadania. Essa é a nossa estimativa pelo número de beneficiários que foram suspensos pelo programa. Foi um trabalho bastante importante porque, além da gente trinchar [as fraudes], a gente permite que quem realmente necessite receba o recurso”, relatou o ministro Wagner Rosário.

Demais, ao percurso do programa, Rosário também comentou sobre outros temas. Assim, falou sobre uma vez que funciona o trabalho da Controladoria Universal da União. Em conjunto, sobre o combate à prevaricação, acordos de leniência, a CPI da Covid e também sobre a divulgação de salários de aposentados e pensionistas do Portal da Transparência.

O interceptação de dados auxiliou no combate às fraudes

Outrossim, o dirigente da CGU explicou que utilizou o interceptação de dados para encontrar possíveis fraudes no recebimento do Auxílio Emergencial. 

“Nós tínhamos basicamente três grandes grupos que estavam no auxílio emergencial. Um era o pessoal do Bolsa Família, o outro era o pessoal do Cadastro Único do governo, ou seja, estão vinculados a outros programas, mas não ao Bolsa Família, e também quem se cadastrou junto à Caixa Econômica Federalista tendo a premência de recebimento deste recurso. Nós passamos a cruzar essas bases de dados com diversas outras bases”, declarou. 

Em seguida, o ministro também explicou que, no caso do Auxílio, existem tanto fraudes pontuais quanto fraudes de grandes grupos. Isto é, uma vez que as de hackers que tentam simular CPFs e inseri-los na tentativa de obter a aprovação para o recebimento. 

“Tem algumas que são mais difíceis de detectar, por exemplo, uma vez que eu vou saber se uma mãe cuida daquele rebento sozinha ou não”, disse. Nesse sentido, é importante lembrar que as mães chefes de família possuem o recta de receber o valor do mercê em duplo. 

Demais, Rosário também disse que o trabalho feito pela CGU em relação à pandemia não fica restrito somente à fiscalização do pagamento do Auxílio Emergencial. Assim, ele citou que houve o início, até o momento, de murado de 60 operações.

Você Pode Gostar Também:

Tratam-se de operações em conjunto com a polícia federalista sobre a adesão de serviços em universal sobre o enfrentamento da pandemia de COVID-19. Por exemplo, entre tais irregularidades estão fraudes envolvendo a compra de respiradores e equipamentos de proteção individual (EPI).

Senador quer que CPI investigue possíveis fraudes no pagamento do Auxílio Emergencial

O senador Alessandro Vieira (Cidadania – SE) protocolou junto à CPI da COVID um pedido de convocação do ex-secretário executivo do Ministério da Cidadania, Antônio José Barreto de Araújo Júnior. A intenção é que o mesmo explique possíveis fraudes encontradas no Auxílio Emergencial. 

No requerimento, o senador Alessandro Vieira exige explicações sobre o chamado “coronavoucher”. Outrossim, também sobre possíveis inconsistências e fragilidades que possibilitaram o ramal de mais de R$ 40 bilhões. 

Antônio José Barreto de Araújo Júnior foi secretário da pasta durante a gestão do atual ministro dirigente da Secretaria Universal da Presidência, Onyx Lorenzoni. Dessa forma, o conjunto de fraudes do Auxílio Emergencial foram mira de diversas operações da polícia federalista e outros órgãos. 

Durante a operação mais recente, a PF cumpriu murado de 35 mandatos de procura e consumição, dois mandatos de prisão temporária, um procuração de prisão preventiva e 12 mandatos de sequestro de bens. As ações se realizaram nos estados da Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Rondônia, Roraima e São Paulo.

Governo acrescenta murado de 106 milénio pessoas em novo lote de pagamento do Auxílio Emergencial depois realização de estudo da Dataprev

Mais de 106 milénio trabalhadores tiveram o status de elegíveis para o recebimentos dos valores do Auxílio Emergencial de 2021, depois a estudo de dados de junho. Demais, aproximadamente outros 2 milénio pedidos deverão ainda passar por estudo da Dataprev e do Ministério da Cidadania. 

Em conjunto, beneficiários que não tiveram a aprovação de sua solicitação poderão realizar o pedido da impugnação do resultado até o dia 3 de julho. Nesse sentido, João Roma, atual Ministro da Cidadania, reiterou que a realização do pagamento das parcelas do mercê passam por um interceptação de dados com a finalidade de prometer que os recursos realmente cheguem aos que necessitam. 

“Temos realizado uma operação abrangente, no sentido de que o Auxílio Emergencial seja pago à população mais vulnerável do país, e muito criteriosa, para evitar fraudes e repasses indevidos”, afirmou o ministro da Cidadania.

Pagamento da 3ª parcela do mercê

A Caixa Econômica Federalista começou a liberar a terceira parcela do Auxílio Emergencial =ao público universal a partir do dia 20 de junho. Na ocasião, iniciou com todos os trabalhadores que nasceram no mês de janeiro. 

Demais, a data de saque destes valores se inicia no dia 13 de julho, seguindo até o dia 12 de agosto. Porém, é importante lembrar que o Banco Mediano informou que, desde o dia 30 de abril, os participantes do mercê poderão utilizar o PIX para movimentar a quantia.

Leia Também:

Está “bombando” na Internet:

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -