Horas de deslocamento não são mais consideradas porquê tempo à disposição do empregador

- Publicidade -

De forma unânime, a 5ª Seção do TST reformou decisão que condenou a Seara Vitualhas ao pagamento de horas de deslocamento, referente ao período ulterior à vigência da Reforma Trabalhista, em obséquio de uma funcionária.

Em que pese o contrato de trabalho tenha sido festejado anteriormente à modificação da legislação trabalhista, a turma colegiada consignou que o recta ao pagamento deve ter porquê marco final o prelúdios da vigência da norma.

Horas de deslocamento

A operadora de produção ajuizou uma reclamatória trabalhista durante seu contrato de trabalho requerendo que a empresa fosse condenada ao pagamento de horas extraordinárias diárias, alusivas ao tempo perdido no trajeto de ida e volta para o trabalho.

Consta nos autos que a trabalhadora levava tapume de cinco horas para se transladar à fábrica da empresa, localizada em outra cidade, diariamente.

No entanto, alguns dias em seguida o ajuizamento da demanda, a Reforma Trabalhista entrou em vigor e deixou de prometer o pagamento das horas de deslocamento porquê tempo à disposição da empregadora.

Reforma Trabalhista

Ao explorar o caso em segundo intensidade, o Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Sul determinou a manutenção do pagamento das horas de deslocamento até a rescisão do contrato de trabalho, segundo a legislação vigente à era do ajuizamento da ação e em atenção ao princípio da irretroatividade da norma de recta material.

Inconformada, a operadora de produção interpôs recurso de revista perante o Tribunal Superior do Trabalho.

Segundo entendimento do ministro-relator Breno Medeiros, a Reforma Trabalhista deve ser aplicada aos contratos de trabalho que, não obstante tenham iniciados antes de sua vigência, permanecem em curso.

Com efeito, o relator concluiu que, em seguida a ingresso em vigor da Reforma Trabalhista, o tempo de deslocamento não será relatado na jornada de trabalho, mesmo que o empregador disponibilize meio ao funcionário, tendo em vista que, nesse período, o empregado não se encontra à disposição do empregador.

Nascente: TST

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -