quinta-feira, julho 29, 2021

Mais de 50 escolas do Mato Grosso não têm banheiro, diz levantamento

- Publicidade -

O estado do Mato Grosso vive uma situação caótica em relação à ensino pública.

De conciliação com um levantamento sobre ensino básica brasileira, feito pelo Comitê Técnico da Instrução do Instituto Rui Barbosa (CTE-IRB) com base no Recenseamento Escolar da Instrução Básica 2020 – INEP/MEC, 739.284 milénio estudantes do estado estão matriculados em instituições públicas.

1.498 são municipais e 767 estaduais, e dentre todas estas, 58 não possuem nem banheiro em sua estrutura.

Outro número alarmante é sobre problemas de infraestrutura de modo universal: dos 141 municípios do Mato Grosso, somente 12 escolas municipais e 13 escolas estaduais estão livres dessas ocorrências.

Esses dados se referem, por exemplo, à conexão com a internet e até mesmo ao chegada a redes de esgoto, pujança e chuva potável.

Leia também – SINE do Mato Grosso oferta novas vagas de Trabalho; confira os cargos

Rede municipal e estadual do Mato Grosso com situações parecidas

O balanço sobre as escolas municipais estima 377.830 alunos matriculados em 2020.

Nas 1.498 escolas, 149 não tinham internet (9,95%) e 596 não tinham orquestra larga (39,7%).

Você Pode Gostar Também:

Outras 41 não tinham banheiro (2,74%), 35 não tinham rede esgoto (2,34%), 8 sem chuva (0,53%), 26 sem chuva potável (1,74%), 25 sem pujança (1,67). Demais, 666 estavam sem recinto ou quadra coberta (44,46%).

Quanto às escolas estaduais, que têm matriculados 361.454 milénio alunos, 29 não tinham internet (3,78%) e 377 não contava com orquestra larga (49,15%).

Ou por outra, 17 disseram não ter banheiro (2,22%), 33 sem rede de esgoto (4,30%), 8 sem chuva (1,04%), 66 sem chuva potável (8,60%), 7 sem pujança (0,91%). Fora que 228 não tinham recinto ou quadra coberta (29,73%).

Sobre a falta de banheiros, há uma preocupação ainda maior, principalmente quando se pensa na retomada da ensino presencial em meio à pandemia.

De conciliação com o presidente do TCE-MT, mentor Guilherme Antonio Maluf, as escolas precisam implementar os protocolos básicos de biossegurança para retomar as aulas presenciais.

Desse modo, gestores devem se constatar aos dados conferidos nesta pesquisa para arcarem com os prejuízos.

“A existência de banheiros, rede de esgoto, chegada à chuva potável, são pontos cruciais para implementação dos protocolos de segurança sanitária para moderar a proliferação da Covid-19 e vemos que em muitas escolas de Mato Grosso não se tem o mínimo. Da mesma forma a internet, fundamental nesse momento de chegada remoto”, destacou Maluf.

E portanto, o que achou da notícia?

Não deixe de ler também – Escola abre inscrições para formação pedagógica em ensino étnica-racial

Leia Também:

Está “bombando” na Internet:

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -