terça-feira, junho 15, 2021

Poeta maranhense de 17 anos é selecionado para participar do Festival de Trova de Lisboa | Maranhão

- Publicidade -

O poeta maranhense Gustavo Augusto, de 17 anos, foi um dos selecionados para participar da 6ª edição do Festival de Trova de Lisboa. O evento literário internacional será realizado em setembro deste ano, em formato virtual, devido a pandemia de Covid-19.

O jovem poeta é procedente de Timon, cidade localizada a 460 km de São Luís. A verso feita por Gustavo, e que foi selecionada para ser apresentada no festival, fala sobre desigualdade social e a urgência de uma reorganização fundiária na verso.

“Ainda acho injusto o pobre estar sem terreno / O rebento corre da tela para não poder ver / O rico sob um grande teto tendo onde se esconder / Enquanto o pobre, embaixo de um papelão / Procurando somente uma mão para lhe socorrer”, dizem os versos.

Ao todo, Gustavo Augusto já possui uma lista com 315 poesias. A trajetória no universo literário começou quando ele ainda era pequeno, devido ao seu interesse pela leitura e escrita. Segundo Gustavo, a verso o ajudou a expressar as suas emoções.

“A verso sempre foi minha vida e me ajudou a me expressar e de ressignificar minhas emoções. Sempre gostei de ler, de redigir. Portanto ser convocado para o Festival de Lisboa é a concretização de um sonho. Eu cá, de Timon, ver minha verso chegando em Lisboa”, disse o jovem.

Em 2020, uma das poesias de Gustavo foi selecionada entre as 40 melhores do Brasil no Festival de Trova da Liceu Rio Pombense, que aconteceu na cidade de Rio Pomba, em Minas Gerais.

Ao todo, Gustavo Augusto possui uma lista com mais de 300 poesias. — Foto: Divulgação/Prefeitura de Timon

Além de abordar sobre temas sociais, paixão, as poesias de Gustavo também descrevem sobre sua relação de surpresa por Timon, cidade onde nasceu (leia uma das poesias dele mais inferior).

“Timon para mim é meu sustentáculo, minha raiz, a cidade que me orgulho de morar. Senhor Timon pois sei a grandeza não só da cidade, mas das pessoas que nela habitam. Timon para mim é mais que uma cidade, um virtude que me orgulho de tê-la em registro, e supra de tudo de viver”, ressalta.

As conquistas do jovem poeta são motivo de orgulho no município com pouco mais de 170 milénio habitantes, segundo estimativa do Instituto Brasílio de Geografia e Estatística (IBGE) em 2020. De concordância com Dinair Veloso, prefeita de Timon, o jovem é um exemplo para a novidade geração de escritores do Maranhão.

“Gustavo é um orgulho para nós, um poeta que leva o nome da nossa cidade para concursos de reconhecimento internacional. Sem dúvidas, ele é um exemplo para a novidade geração de escritores”, disse.

A TIMON QUE AMO – Gustavo Augusto

Na cidade que hoje habito
Tenho orgulho de morar
É a terreno sempre amei
E que sempre hei de amar
A cidade de Timon
Que no meu coração está

Sinônimos e virtudes
A elas podemos somar
São inúmeros os conceitos
Que podemos ressaltar
Supra de tudo, Timon é paixão

Timon que eu senhor
Timon que eu quero muito
A cidade que eu moro desde sempre
A cidade que me faz muito.

Neste ano, o Festival de Lisboa tem uma vez que tema ‘Terreno – Uma Poética de Nós’. Além de apresentações, a edição terá palestras, oficinas, encontro com poetas, dentre eles, o moçambicano Mia Couto, que tem uma obra literária extensa e que já foi publicada em 22 países em mais de cinco línguas.

Segundo a organização do evento, o primeiro disposto terá um livro lançado gratuitamente.

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -