Prefeita de Santa Rita é cândido de ação de improbidade por manter contratos temporários mesmo com a existência de aprovados em concurso – Cleber Toledo

- Publicidade -

A prefeita de Santa Rita do Tocantins, Neila Maria, a Neguinha do Restaurante (DEM), tornou-se cândido de ação do Ministério Público (MPE) por ato de improbidade administrativa. O órgão questiona a gestora por manter servidores temporários de forma irregular, apesar de existirem candidatos aprovados em concurso público na espera pela nomeação.

Município já foi multado

A 5ª Promotoria de Justiça de Porto Pátrio relata que tenta resolver as irregularidades por via extrajudicial desde 2016 e celebrou Termo de Ajuste de Conduta (TAC). Um concurso público chegou a ser realizado, mas o MPE narra que a prática dos contratos temporários permaneceu, mesmo depois de concluído o torneio. O descumprimento do convénio resultou na emprego de multa e bloqueio de R$ 100 milénio das contas do município.

Ressarcimento do dano e suspensão dos direitos políticos

Apesar da sanção, o MPE afirma que o município continuou a desafiar a Justiça e, por quatro vezes, encaminhou Projeto de Lei para efetivar novas contratações. Assim,  mais uma recomendação foi expedida para que houvesse rescisão dos referidos contratos, orientação que não foi acatada. Por isto, a 5ª Promotoria optou pela ação que pede que a prefeita seja condenada às penas de ressarcimento integral do dano, suspensão dos direitos políticos, pagamento de multa social, dentre outras penalidades dispostas no cláusula 11 da Lei. 8.428 de 1992.

Objeto da ação é da gestão anterior

Neila Moraes afirmou em nota que o processo tem origem em fatos que ocorreram na gestão anterior e garante que irá esclarecer os questionamentos. “A prefeita respeita a atuação do Ministério Público e confia no julgamento do Poder Judiciário”, anota ainda.

Leia a íntegra da nota:

“NOTA À IMPRENSA

A prefeita Neila Moraes esclarece que o processo já se encontrava em tramitação há qualquer tempo e só mudou de período, tal qual objeto se constitui de fatos da gestão anterior (questionamento acerca da realização de um concurso público), os quais serão esclarecidos durante o curso do processo. 

A prefeita respeita a atuação do Ministério Público e confia no julgamento do Poder Judiciário que terá a oportunidade de averiguar a resguardo e os documentos a serem apresentados nos autos”

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -