quinta-feira, agosto 5, 2021

Professor fala sobre cotas raciais em concursos e dá dicas de estudo | Ceará – Últimas Notícias do Ceará

- Publicidade -
Convocados em seleção pública (Foto: Divulgação)

Em entrevista à Rádio O POVO CBN, o professor Gustavo Brígido, fundador do Curso Gustavo Brígido, preparatório para concursos, falou um pouco sobre os estudos preparatórios em tempos de pandemia e trouxe maiores esclarecimentos sobre as cotas raciais nos concursos estaduais no Ceará. A lei foi sancionada no último dia 23 de março e estabelece que 20% das cotas dos concursos públicos do Estado são destinadas para negros.

LEIA MAIS | Tapume de 320 milénio participam de concurso público para a Polícia Federalista 

Com o cenário de pandemia pelo novo coronavírus desde o ano pretérito, a emprego de concursos em todo o País foi paralisada. Com o decreto nº 34.058 do governador Camilo Santana (PT), publicado em 1º de maio de 2021, a realização de concursos e seleção públicas destinadas ao preenchimento de cargos ou funções no serviço público foi liberada novamente.

Para que os parâmetros de exigência da novidade legislação de cotas raciais sejam cumpridos, no ato da matrícula, o candidato se autodeclara preto ou pardo, de consonância com os requisitos para cor e raça do Instituto Brasílico de Geografia e Estatística (IBGE). A validação da participação no concurso pelo sistema se dá por método onde a identificação étnico-racial de um quidam é feita a partir da percepção social de outra pessoa.

“Até pouco tempo, isso gerava uma grande discussão em torno das cotas. Bastava a pessoa se declarar uma vez que negra para ser suficiente conseguir a quinhão racial. Agora, o processo mudou; tem toda uma percentagem de identificação que vai calcular a requisito do participante, somando o que é dito com o que é real”, explica o professor.

Dessa maneira, a percentagem é formada por um grupo heterogêneo de profissionais que faz a avaliação dos que se declaram negros, validando ou não o uso das cotas raciais para determinados participantes. As vagas reservadas para os candidatos negros constarão nos editais dos concursos públicos estaduais.

Estudos preparatórios

 

Sobre os estudos preparatórios, Gustavo aconselha que o participante não deve esperar pelo edital para iniciar uma rotina de estudos. “Não tem por quê esperar. É estudar, se esforçar, entregar o seu melhor e fazer o cenário difícil de pandemia que estamos vivendo se tornar o momento em que muitas pessoas vão resolver suas vidas por meio da aprovação em um concurso público”, incentiva.

O professor explica que a motivação do concurseiro não deve ser somente de não querer enfrentar o mercado de trabalho ou de querer prometer segurança financeira, já que a rotina de estudos para concursos pode ser, por vezes, mais puxada do que o mercado. 

“Quem estuda para concurso tem uma rotina muito mais extensa e complexa do que o mercado de trabalho. Estudar cansa muito mais do que estar no envolvente profissional […] Se deve fazer concurso pensando em servir ao público, não só em lucrar verba”, explica.

Ainda, Gustavo defende o funcionamento dos cursos preparatórios para os concursos, desde que sejam cumpridos todos os protocolos de segurança, mesmo com a vacinação já sendo aplicada em todo o País. “Os concursos públicos aquecem a economia. As pessoas vão retomar seu espaço onde estão sendo ofertadas muitas vagas”, finaliza o professor.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -