segunda-feira, maio 17, 2021

Russi defende parcelamento de vigor: “As pessoas terão dificuldade para remunerar”

- Publicidade -

Foto: ANGELO VARELA / ALMT

O deputado estadual Solicitador Claudinei (PSL) lamentou a manutenção dos vetos do governo de Mato Grosso às emendas de nº 256 e 307, propostas pela Percentagem de Segurança Pública da Câmara Legislativa de Mato Grosso (ALMT) ao Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de nº 913/2020, em sessão ordinária, nesta tarde de segunda-feira (19). Por conta disso, não será verosímil a realização de melhorias nas estruturas físicas das unidades da Perícia Solene e Identificação Técnica (Politec) e o lançamento de concursos públicos das forças de segurança que carecem de efetivo. 

“Nós visitamos 13 polos regionais da Risp (Região Integrada de Segurança Pública) de Mato Grosso, ano pretérito, vendo os problemas da Politec, onde pudemos constatar a falta de IML (Instituto Médico Legítimo). Em Subida Floresta, por exemplo, familiares esperam até três dias para a liberação de corpos para fazer o sepultamento. Tem outras cidades, pela falta de IML, quando se localiza um morto em estado de putrefação – popular podrão -, os médicos legistas tem que examinar levante corpo em um terreno ao lado da delegacia ou de uma unidade da Politec”, discursa Claudinei.

Ele considera ser uma vergonha a situação que se encontram os prédios da Politec, em Mato Grosso. “Você já imaginou o odor de um morto de cinco dias que foi localizado de forma tardia? Espalha um odor por várias quadras e metros de intervalo? Uma vergonha para Mato Grosso, uma falta de humanidade para a família de quem morreu, para os servidores que ali trabalham. Os prédios das Politecs não têm estrutura. Propusemos, pela Percentagem de Segurança, exclusivamente R$ 3 milhões para melhorar todas as unidades. A gente quer ajudar o governador diminuir um pouco essa vergonha, não permanecer comprando um avião de quase R$ 8 milhões. Isso é um contraditório!”, revolta o parlamentar.

Em relação à emenda de n.º 307, o veto do governo estadual foi mantido pelos deputados, que iria prometer a lisura de edital para a realização de concursos públicos para atender a Polícia Judiciária Social (PJC), Polícia Militar (PM), Corpo de Bombeiros Militar (CBM) e Politec. “Mais uma vez, propusemos através da Segurança Pública, a lisura de edital de concurso público. Tem instituição que está há mais de seis ou oito anos sem concursos. Quem sofre é a população. Tivemos 16 delegacias fechadas. Já tem um estudo da diretoria universal da PJC para fechar mais delegacias por falta de efetivo”, comenta Claudinei.

O parlamentar que presidiu a Percentagem de Segurança da Mansão de Leis, ano pretérito, conta que foi identificado durante as visitas aos polos regionais, um policial militar sozinho atendendo o destacamento que está lotado e outro servidor de sobreaviso em lar. Também, citou sobre um investigador que fica sozinho cuidando do prédio que presta serviço, sem nenhuma segurança. 

“Isso são exemplos que identificamos nas visitas dos 13 polos regionais. O relatório foi entregue ao governador em mãos, mas não temos a previsão da realização de concurso público. Porquê vamos colocar uma Delegacia da Mulher, em Rondonópolis, para atendimento 24 horas, sem efetivo? Não adianta permanecer fazendo politicalha, fazer uma delegacia, uma vez que essa, se não tiver novos concursos públicos. A solução será o governo estadual fazer a lisura de concursos”, conclui o parlamentar. 

Os valores propostos para as emendas de n.º 256 e 307 foram de, respectivamente, R$ 3 milhões e R$ 6 milhões, que seriam alocados de recursos da propaganda institucional da Mansão Social de Mato Grosso. 

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -