segunda-feira, maio 17, 2021

Sem máscara, Bolsonaro culpa situação inusitada

- Publicidade -

Mesmo diante do cimeira índice de casos da Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a provocar aglomerações. Desta vez, o trajo aconteceu na manhã deste sábado (17) em Goianápolis, no núcleo de Goiás. No lugar Bolsonaro, que estava sem máscara, chegou inclusive a pegar um bebê no pescoço. O curioso é que a gaiato teve que ser passada por cima da grade.

Na ocasião o presidente também esteve escoltado do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello. Ele chegou a controlar a pasta por seis meses e ainda é fim de questionário.

O questionário neste caso foi instaurado para verificar sua atuação enquanto ministro e na crise sanitária no Amazonas. No início do ano chegou inclusive falta oxigênio nos hospitais do estado.

Em paralelo, um Percentagem Parlamentar de Interrogatório deve investigar se o governo federalista foi omisso na pandemia da Covid-19. A investigação foi criada no último dia 13 de abril pelo Senado Federalista e deve completar uma semana nesta terça-feira.

O G1 tentou entrar em contato com a assessoria do Planalto e questionou o motivo da visitante do presidente Bolsonaro e do ministro a Goianápolis, mas não obteve retorno.

Bolsonaro classifica uma vez que “sacanagem” divulgação de conversa

Na visitante neste sábado Bolsonaro também aproveitou para comentar sobre a divulgação da conversa por telefone com o senador goiano Jorge Kajuru (Cidadania).  O senador divulgou os áudios, em suas redes sociais, no último dia 11.

“Gravar uma conversa minha com ele? Sem comentários. Depois que ele publicou, falei para publicar o resto todo. Não devo zero para ninguém, não estou preocupado com gravação telefônica não. Agora é sacanagem, até eu gravar você, você gravar ele”, disse Bolsonaro.

O senador, em nota ao G1, negou que tenha feito “sacanagem” com o encarregado do Executivo. “Logo, ele sabia da gravação e deu autorização para a sua exibição. Do contrário, bastaria proferir ‘não coloque no ar Kajuru’, eu o teria obedecido. Se arrependeu 20h depois”, explicou.

“Ouvir os problemas”

Bolsonaro também esteve com o deputado federalista major Vitor Hugo, líder do PSL na Câmara, que comentou sobre a visitante a cidade.  “A intenção foi de ouvir os problemas, sentir de que forma as ações do governo têm repercutido e tivemos uma sensação muito positiva, o presidente foi calorosamente recebido em Goianápolis”, disse.

Sem máscara e sem levar em conta protocolos de distanciamento contra a Covid-19, Bolsonaro apertou a mão de apoiadores. Para se ter uma teoria desde 2020 o uso de máscaras é obrigatório no estado.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -